Avançar para o conteúdo principal

V EBEM - Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo

V EBEM - Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo

"Marxismo, Educação e Emancipação Humana"

11, 12, 13 e 14 de abril de 2011

Universidade Federal de Santa Catarina - Florianópolis - Brasil

O EBEM é um encontro de âmbito nacional que tem por objetivo
possibilitar a discussão entre investigadores, professores,
estudantes, militantes dos movimentos sociais e os diversos núcleos de
pesquisa que abordam o tema da educação na perspectiva
teórico-metodológica do materialismo histórico.

Envio de resumos para apresentação de trabalhos: até 25 de novembro de 2010

Para mais informações, acesse: http://www.5ebem.ufsc.br/

Programação

Segunda-feira - 11 de Abril de 2011

17h - Credenciamento

19h - Conferência de Abertura

Terça-feira - 12 de Abril de 2011

8h - Mesa Temática 1

ESTADO E EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA DA CLASSE TRABALHADORA

.Beatriz Rajland (UBA/AR)
.Roberto Leher - UFRJ
.Fernando Ponte de Souza - UFSC

12h30 - Almoço

14h - Apresentação de trabalhos

19h - Encontro com Sindicatos e outros Movimentos Sociais

Quarta-feira - 13 de Abril de 2011

8h - Mesa Temática 2

EDUCAÇÃO, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E ESTRATÉGIA REVOLUCIONÁRIA

.Celi Taffarel - UFBA
.Mauro Luis Iasi - UFRJ
.Edmundo Fernandes Dias - UNICAMP

.José Paulo Netto - UFRJ

12h30 - Almoço

14h a 18h30 - Apresentação de Trabalhos

Quinta-feira - 14 de Abril de 2011

8h30 - Mesa Temática 3

EDUCAÇÃO, FORMAÇÃO HUMANA E ONTOLOGIA

.Ivo Tonet -UFAL
.Dermeval Saviani - UNICAMP
.Alejandro Gonzalez (UBA/AR)

15h - Plenária

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A ARTE INCONDICIONAL DE AMAR

O amor é a maior força que existe no mundo. Aqui falo de amor no sentido lato e não só do sentimento que pode existir entre dois seres. O amor total é uma forte de energia que não utilizamos o suficiente. O amor é uma plenitude que no envolve até nos momentos de raiva, pois a raiva ou ódio é a antítese do amor, ou seja, o amor que está doente. Portanto, aja sempre com amor e terá sucesso na sua existência. O amor está na base de todas as grandes descobertas e grandes invenções que tiveram lugar, têm lugar e terão lugar na história da humanidade. Sem amor, não podemos construir nada de grande. O amor é simplesmente a essência que nos mantém vivos. Se os homens projetaram enormes templos, igrejas, mosteiros, sinagogas, mesquitas, foi por amor ao ser supremo: o seu salvador aquele conhecido com regente de todas as coisas que existe no universo. Se os homens fizeram descobertas em todos os domínios, foi para melhorar a vida dos seus amados irmãos. Seja no domínio da medicina, da tecnologi…

Poder e Política no pensamento de Hannah Arendt

Poder e Política no pensamento de Hannah Arendt: Vivian Santana Paixão

 Resumo

Este trabalho objetiva fazer uma
reflexão sobre as concepções de política e poder no pensamento de Hannah
Arendt. Para a autora, o poder está associado à capacidade de iniciar e
de desenvolver ações com os outros, estando fortemente relacionado com a
liberdade. Nessa mesma linha, a política é uma instância de fundação do
mundo comum e de resistência à sua destruição. Palavras-chave: poder, política, Hannah Arendt, ação, liberdade.
Domingo, 23 de abril de 1995 5- 11 Folha de São Paulo

Hegel filosofa sobre a essência da caneta

OLGÂRIA CHAIM FÉRES MATOS
Especial para a Folha

Em “Como o Senso Comum Compreende a Filosofia”, um es­crito de juventude, Hegel se pro­põe responder a seu contemporâneo Krug, representante emblemá­tico do senso comum filosófico". Propõe-se em termos, pois consi­dera seu contendor - que sucede Kant na Universidade de Konigs­berg -o próprio 'non sense' rea­lista.
O interlocutor, à primeira vista, é inocente: manifesta perplexidade frente às filosofias do idealismo transcendental, em particular as de Schelling, Hegel e Fichte, dando a entender que o Criticismo não pas­sa de esquizofrenia da Razão) quan­do diferencia Eu empírico e Eu transcendental
Eis o que inviabilizaria explicar as “simples coisas'', aquelas dadas, ou melhor, pré-dadas: ingênuo em seu naturalismo, Krug adere existência de seres e objetos, igno­ra a consciência que lhes confere existência e inteligibilida…